Oral cancer and potentially malignant lesions: knowledge, attitudes and practices of Portuguese dentists






Autores: Pinto Ana Catarina, Henriques Inês, Cardoso Inês, Louraço Ana, Freitas Filipe, Trancoso Pedro, Azul António
Instituição: Clínica Integrada de Medicina Oral
Valor da bolsa: 200.00€
Apresentação durante o evento 14th Biennial Congress of European Academy of Oral Medicine 2018 em Gothenburg, Suécia | 2018-09-27

Resumo:
Introdução: O sucesso / prognóstico do tratamento do cancro oral (CO) depende do diagnóstico precoce, assumindo os dentistas um papel preponderante. Ainda assim, são escassos os inquéritos sobre o conhecimento dos dentistas sobre esta doença na Europa.
Objetivos: Avaliar o conhecimento, as opiniões e a prática clínica dos dentistas portugueses em relação ao CO e às lesões potencialmente malignas (PMLs).
Materiais e Métodos: Foi publicado nos fóruns de dentistas portugueses no Facebook um questionário online com 40 perguntas. Foi realizada análise estatística descritiva e inferencial (Qui-Quadrado com nível de significância de 5%).
Resultados: Dos 317 inquiridos (69,6% do género feminino, 30,4% do género masculino), 53,7% tinham entre 23 e 34 anos e quase metade formou-se após 2011. O tabaco (99,7%), o álcool (93,9%), a exposição solar para o cancro do lábio (89,4 %), HPV (87,8%) e PMLs (87,8%) foram reconhecidos como fatores de risco, enquanto 70,4% referiram também o trauma. Foram reconhecidas como PMLs a leucoplasia (93,9%), eritroplasia (73,3%) e líquen plano oral (49,5%), enquanto 36,7% também referiram a queratose friccional. 93% consideraram como característica clínica primária do CO uma ulceração que não cicatriza. 47,9% identificaram a língua como a localização mais frequente. 82,3% associaram o HPV aos casos de CO em doentes jovens não fumadores. 40,2% realizam exame intra-oral completo pelo menos a cada 6 meses, mas apenas 7,4% procuram nódulos linfáticos cervicais aumentados. Nos últimos 2 anos, 61,2% observaram pelo menos uma lesão suspeita de cancro, confirmada em 54,4% dos casos. Apenas 21% consideraram que estão aptos para realizar o diagnóstico clínico de CO. Resultados completos serão apresentados e discutidos com base nos dados internacionais.
Conclusões: Em geral, nossos resultados são melhores do que a maioria dos estudos europeus, provavelmente refletindo o Programa Nacional de Cancro Oral, mas os dentistas portugueses sentem a necessidade de mais formação nesta área.


expandir

Anexos disponíveis

pdf 3.50 MB | Bolsa: poster ou comunicação oral

Patrocinadores:

Imprimir
Bolsa de Apoio à Investigação 2018 Patrocínio Científico SPEMD Parcerias SPEMD Formação SPEMD Revista SPEMD Comemorações de Santa Apolónia 2019 XXXIX Congresso Anual da SPEMD
Agenda
mar
16

Eventos

Comemorações de Santa Apolónia 2019

Mafra (Hotel a definir)

Junte-se a nós no Facebook e no Instagram
© 2000-2018. Todos os direitos reservados
Termos e Condições